Uma Entrevista “De Pai para Pai”, com Max Lucado 

por Mike Nappa

[Esta entrevista com Max Lucado foi realizada pouco tempo depois do lançamento do seu livro "Simplesmene Como Jesus" em 1998.]

Há pouco tempo atrás, Max escreveu um livro chamado, Simplesmente Como Jesus (Editora CPAD), que reflete sobre como as pessoas podem tomar Cristo como modelo para suas atitudes e ações. Pensando nisso, nós acompanhamos Max numa conversa de pai-para-pai sobre o que significa ser um pai que é “simplesmente como Jesus”. Pai orgulhoso de três filhas, Max teve bastante para compartilhar. 

Mike: Vamos começar com algo fácil. Como você começou sua carreira de escritor?

Max: Foi um caminho um pouco complicado! Eu nunca tive qualquer desejo ou aspiração para ser escritor. O que aconteceu foi, eu quis ser missionário no início dos anos 80. Para entrar no Brasil como missionário, você tinha que ter pelo menos dois anos de experiência numa igreja ou o governo não o deixaria entrar. Bem, eu achei uma igreja em Miami, Flórida – e não foi fácil achar uma – que me deixou trabalhar apenas como ministro associado. Uma das minhas responsabilidades era escrever um artigo semanal no boletim de igreja.

O que eu descobri, Mike, foi que eu realmente gostava de escrever aqueles artigos. Eu descobri que uma das maneiras pelas quais Deus revela o seu dom é através daquilo que você realmente gosta de fazer. E eu realmente tinha prazer em escrever aquele artigo de doze a trezes centímetros…Então, eu orei a Deus para saber se eu deveria tentar publicar alguns dos meus pequenos artigos.

Quando eu cheguei ao Brasil, eu tive tempo extra porque estava estudando português todos os dias, e assim eu tinha minhas noites livres. Eu usei aquelas noites para passar a limpo os artigos, organizá-los num tema em comum, e fiz o pequeno manuscrito chamado “Moldado Por Deus”. Eu remeti aquele manuscrito a quinze editoras diferentes, e a décima quinta disse "Sim."

Mike: Você escreveu um livro chamado Simplesmente Como Jesus. O que você acha que impede um pai de ser como Jesus no relacionamento dele com seus filhos?

Max: O que impede um pai de ser como Jesus é ele próprio não ter um Pai espiritual. O modelo ideal de paternidade é nosso Pai divino e Ele nos convida a ter o tipo de relação com Ele quando nós oramos, “Pai nosso, que estás nos céus”, ou “Nosso Abba que estás nos céus”.

Se eu tiver aquele relacionamento com meu Pai, se eu for o suficiente como uma criança em meu coração, podendo me ajoelhar e dizer, “Abba”, e chamá-Lo de “Papai”, ou “Pai”, então isso me permitirá, penso eu, ser sensível ao que é ser como uma criança. Se eu esquecer disso, se eu ficar tão auto-suficiente que eu não preciso de um Pai divino, então será muito difícil eu ser o tipo de pai que eu preciso ser para minhas filhas.

Mike: Então você diria que o maior investimento que um pai pode fazer nos filhos dele é o investimento que ele faz no relacionamento dele com o nosso Pai no céu?

Max: Absolutamente. Se eu quero ser um pai bom, eu vou para meu Pai e Ele me mostra como ser um bom pai.

Mike: Qual papel você recomendaria para a oração na vida de um pai?

Max: Oração é o primeiro, segundo e último passo em relação aos nosso filhos.

Mike: Quais você diriam são as maiores alegrias de paternidade?

Max: Abraços na hora de dormir. Perguntas honestas que refletem um coração que está buscando. Quando seu filho não fica constrangido se você aparecer quando ele estiver com os amigos dele.

Mike: Parece-me que você está dizendo que a maior alegria é simplesmente ser uma parte valiosa da vida de uma criança.

Max: É exatamente isso.

Mike: Qual sua memória favorita do Dia dos Pais?

Max: Eu poderia chamar a memória mais tocante do Dia do Pais, e isso foi o que eu tive com meu próprio pai. Foi o primeiro Dia dos Pais depois que ele morreu. Eu não tive um pai com quem falar naquele Dia dos Pais. E assim eu me sentei e eu fiz uma lista de todas as coisas das quais eu senti saudade do meu pai. E eu nunca senti tanta falta dele como naquele Dia dos Pais. Aquele foi um momento muito especial para mim.

Mike: Quando você olha para a frente no tempo, para quando suas filhas puderem se sentar e fazer aquela lista, que tipos de coisas você espera que eles escreverão sobre você?

Max: Eu espero que eles escreverão, “Ele realmente tentou ser um bom pai. E embora ele tenha falhado, eu sei que ele realmente me amou”.

Mike: O que você diria ao pai que sente que tenha falhado miseravelmente nos esforços dele de ser um pai como Jesus seria?

Max: Eu diria, “Nunca subestime o poder do perdão de Deus e o perdão de seus filhos. Eu realmente acredito que Deus – não há dúvida, é claro – Deus nos perdoa. E eu realmente acredito que nossos filhos nos perdoarão se nós formos a eles e pedirmos. Nossos filhos querem um pai. E Satanás fala para os pais caídos, “Você foi longe demais para ser um bom pai”. Isso está errado. Toda pessoa com quem eu já falei que teve uma relação difícil com o pai delas, ainda quer um relacionamento com eles. Portanto, enquanto o filho deles estiver vivo, nunca é tarde demais para voltar e dizer, “perdoe-me”.

Mike: Qual a maior lição que um pai poderia aprender do exemplo de Jesus?

Max: Quando eu penso em querer ser como Jesus, eu penso no tempo em que Jesus, na noite antes de ser crucificado, lavou os pés dos discípulos dele. De todas as pessoas naquele recinto que mereciam ter os pés lavados, Jesus merecia mais. Eu quero dizer que, quando a questão foi quem era número um, quando chegou a ordem de hierarquia das pessoas naquele quarto, Jesus estava no topo. Mas Ele se colocou por último.

Agora, nós pais tendemos a nos colocar no topo da ordem de hierarquia em nossas casas. Eu tenho minha cadeira favorita e eu não gosto quando minhas filhas sentam naquela cadeira. E às vezes eu permito aquela cadeira virar um trono! Não me custaria nada dizer, “Ó, você senta na cadeira. Eu sentarei no sofá.” O que tem demais nisso? Isso de uma forma pequena, é eu me rebaixando diante das minhas filhas e lavando os pés delas… eu penso que o que o Jesus nos ensina sobre ser um bom pai é ser um pai servo.

Mike: Que conselho você daria a um homem que, por uma razão ou outra, não pode viver com os filhos dele, mas ainda quer ser um pai “simplesmente como Jesus” mesmo assim?

Max: Em primeiro lugar, eu diria que meu coração realmente sente por eles. Meu irmão está naquela situação. Por causa de um divórcio, ele não pode estar com os dois filhos dele. Assim meu coração dói por ele. Mas, eu penso que há três coisas que esse pais podem fazer.

Número um, o pai que estiver separado dos filhos dele, precisa ser um dedicado guerreiro de oração por aqueles filhos.

Segundo, ele precisa escrever cartas regularmente para os filhos dele. E a razão que eu digo cartas é porque telefonemas, por mais valiosos que sejam, não estão lá quando o filho precisa de encorajamento. Quando você desliga o telefone, a mensagem termina. Mas se você escrever uma carta, o filho pode guardar numa caixa, e talvez, nalguma noite só, voltar para aquelas cartas.

E finalmente, terceiro – isso é algo que eu estou fazendo para minhas filhas, mas qualquer pai poderia fazer, especialmente aqueles que estão longe dos filhos – estou escrevendo um livro de sabedoria para cada uma delas, o que é um pouco engraçado - não sou um sujeito tão sábio! Mas, eu tenho um caderno pequeno para cada uma delas. Quando eu lembro de uma coisa, eu anoto naquele caderno. E quando elas fizerem dezoito anos, eu vou levar aquela coleção de pensamentos a alguém que sabe fazer caligrafia, ou escrever bem direito, e vou pedir que escreva isso dentro um livro que elas possam manter com elas.

Eu penso que, especialmente para aqueles pais que não estão com seus filhos, isso seria um presente maravilhoso, pois eu penso que eles têm muita sabedoria que poderiam compartilhar com seus filhos. Essa seria uma maneira de fazer isso.

Mike: Terminando, há algum versículo da Bíblia que você recomendaria como tema para pais?

Max: Hebreus 6:10, onde diz na Versão Fácil de Ler, “Deus não é injusto. Ele não se esquecerá do trabalho de vocês ou do amor que mostraram em nome dele, pois ajudaram e ainda ajudam o seu povo.” Nós, os pais, tendemos a pensar que ninguém está notando os esforços que nós fazemos para criar nossos filhos. Mas Deus está notando e Ele é justo e não esquecerá do trabalho que nós fizemos.


Veja também: Pais de Oração.

Entrevista de Mike Nappa com Max Lucado, do site www.nappaland.com com tradução de Dennis Downing para o site www.hermeneutica.com.

Esta tradução Copyright © 2009 Dennis Downing. Todos os direitos reservados. 

07/08/09